Categorias
Administração Empreendedorismo Escritórios Escritórios Virtuais Produtividade Reunião

Você sabe o que são Escritórios Virtuais?

O empreendedorismo é um movimento que vem atingindo cada vez mais pessoas: ideias inovadoras para produtos e serviços úteis ao mercado e que, geralmente, não haviam sido criados ou pensados antes. No Brasil, essa tendência segue cada vez mais forte. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), feita em 2015 pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), o país é o terceiro no ranking internacional de empreendedorismo. O estudo também aponta que três em cada dez brasileiros adultos entre 18 e 64 anos possuem uma empresa ou estão envolvidos com a criação de um negócio próprio.

Mas montar seu próprio negócio pode não ser tão simples assim. A burocracia brasileira é famosa mundo à fora por ser extremamente complicada. Além disso, a falta de capital inicial pode atrapalhar quem está começando. Foi pensando em solucionar essas questões que nasceram os Escritórios Virtuais.

Quando se abre uma empresa é necessário ter uma estrutura física (para receber clientes ou fazer reuniões), endereço fiscal para registro comercial, suporte tecnológico, atendimento telefônico personalizado, dentre vários outros serviços. Os Escritórios inteligentes vêm para suprir essa demanda. Neles, são oferecidos tudo o que o empreendedor precisa para começar: além de salas executivas, de reuniões e de videoconferência totalmente mobiliadas e decoradas, há também uma central de atendimento e de serviços – incluindo recepção, secretaria, mensageiro, telefonia, internet, equipamentos e manutenção.

No Brasil, o serviço é normatizado pela Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais (ANCEV). Também conhecidos como Business Center, Centro de Negócios, Escritório Inteligente, Centro de Apoio, Escritório Terceirizado e Escritório de Conveniência, estas organizações contam ainda com espaço de coworking (compartilhamento de espaço e recursos de escritório), salas de treinamento com infraestrutura de equipamentos e serviço de coffee break, agendamento de compromissos, recebimento e redirecionamento de encomendas e correspondências.

Com essas facilidades, o empresário pode iniciar suas atividades imediatamente, dedicando sua energia integralmente ao seu trabalho. Além disso, há uma redução dos custos uma vez que o empreendedor pagará apenas pelo serviço que utilizar.

Em Brasília, a Smart Escritórios Inteligentes atende a essa demanda. Associada ANCEV, oferece às empresas e aos profissionais liberais uma solução completa e integrada para aumentar a capacidade produtiva, a agilidade e a lucratividade dos negócios.

Categorias
Administração Empreendedorismo Escritórios Escritórios Virtuais Produtividade Reunião

Você sabe o que são Escritórios Virtuais?

O empreendedorismo é um movimento que vem atingindo cada vez mais pessoas: ideias inovadoras para produtos e serviços úteis ao mercado e que, geralmente, não haviam sido criados ou pensados antes. No Brasil, essa tendência segue cada vez mais forte. Segundo a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), feita em 2015 pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), o país é o terceiro no ranking internacional de empreendedorismo. O estudo também aponta que três em cada dez brasileiros adultos entre 18 e 64 anos possuem uma empresa ou estão envolvidos com a criação de um negócio próprio.

Mas montar seu próprio negócio pode não ser tão simples assim. A burocracia brasileira é famosa mundo à fora por ser extremamente complicada. Além disso, a falta de capital inicial pode atrapalhar quem está começando. Foi pensando em solucionar essas questões que nasceram os Escritórios Virtuais.

Quando se abre uma empresa é necessário ter uma estrutura física (para receber clientes ou fazer reuniões), endereço fiscal para registro comercial, suporte tecnológico, atendimento telefônico personalizado, dentre vários outros serviços. Os Escritórios inteligentes vêm para suprir essa demanda. Neles, são oferecidos tudo o que o empreendedor precisa para começar: além de salas executivas, de reuniões e de videoconferência totalmente mobiliadas e decoradas, há também uma central de atendimento e de serviços – incluindo recepção, secretaria, mensageiro, telefonia, internet, equipamentos e manutenção.

No Brasil, o serviço é normatizado pela Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais (ANCEV). Também conhecidos como Business Center, Centro de Negócios, Escritório Inteligente, Centro de Apoio, Escritório Terceirizado e Escritório de Conveniência, estas organizações contam ainda com espaço de coworking (compartilhamento de espaço e recursos de escritório), salas de treinamento com infraestrutura de equipamentos e serviço de coffee break, agendamento de compromissos, recebimento e redirecionamento de encomendas e correspondências.

Com essas facilidades, o empresário pode iniciar suas atividades imediatamente, dedicando sua energia integralmente ao seu trabalho. Além disso, há uma redução dos custos uma vez que o empreendedor pagará apenas pelo serviço que utilizar.

Em Brasília, a Smart Escritórios Inteligentes atende a essa demanda. Associada ANCEV, oferece às empresas e aos profissionais liberais uma solução completa e integrada para aumentar a capacidade produtiva, a agilidade e a lucratividade dos negócios.

Categorias
Administração Empreendedorismo Escritórios Escritórios Virtuais Produtividade Reunião

Clima organizacional: como criar uma atmosfera saudável na empresa

Quase todo o mundo já passou por isso em algum momento no trabalho: impressão de tensão no ar, de que algo está errado, que os seus esforços não são reconhecidos. O inverso também ocorre: sensação da motivação geral, que a empresa caminha como um só organismo bem orquestrado. Esta percepção de como andam as coisas na empresa pode ser chamada também de clima organizacional.

O que é clima organizacional?

O clima organizacional é um conceito subjetivo, composto por diferentes elementos que interagem dentro de uma companhia. E, por isso, influi diretamente no desempenho dos funcionários e colaboradores. Quando ele não é favorável, diversas consequências podem afetar a empresa: queda na produtividade, motivação em baixa, falta de engajamento, alto índice de desperdício de materiais, queda na frequência e atrasos.

Mas então, o que fazer para que a percepção dos funcionários sobre a empresa melhore? Grandes organizações, como o Google, por exemplo, são famosas por proporcionarem um clima de trabalho de excelente qualidade. Ambientes mais agradáveis e coloridos, lazer e diversão no próprio local, horários flexíveis, dentre outras são as soluções mais utilizadas.

Essas atitudes são extremamente válidas. Entretanto, é importante ressaltar que criar um ambiente harmonioso vai muito além dessas ações. É necessário compreender o que é avaliado como ruim pelos funcionários.

Como melhorar o clima organizacional?

Uma pesquisa entre os colaboradores é uma ótima opção para descobrir se a empresa é um bom local para trabalhar, o que acham das práticas de gestão de pessoas, se existe um objetivo comum e, principalmente, entender como estão ocorrendo os relacionamentos dentro da empresa. É preciso mapear todos os aspectos críticos apontados.

Não existe uma pesquisa-padrão. Os questionamentos devem ser elaborados de acordo com o perfil organizacional da empresa, abordando tópicos como o trabalho em si, integração interpessoal, salário, desenvolvimento profissional, condições físicas do trabalho, dentro outros.

Em posse de todas essas informações, é possível iniciar o processo de mudança. É importante, durante o processo, que o gestor mostre que há vontade efetiva de realizar as mudanças e que as opiniões ouvidas serão levadas em consideração.

Se os colaboradores reclamam, por exemplo, que falta um diálogo mais direto com seus supervisores, é importante trabalhar para que os gerentes de cada setor fiquem mais acessíveis. Colocar todos em um espaço amplo, sem grandes divisórias, como paredes, já passa a sensação de que o chefe está mais acessível e que pode ser consultado com mais facilidade.

Se o problema for a falta de motivação, reunir a equipe para ouvir opiniões do que pode ser feito para melhorar o ambiente de trabalho é um ótimo começo. Promover um momento de relaxamento coletivo semanalmente dentro da própria empresa também pode fortalecer mais os laços dos colaboradores e, ao mesmo tempo, fazê-los relaxar.

Por que investir em melhoria do clima organizacional?

Diante de tantos desafios diários na gestão de um negócio, por que o empreendedor deve dispender recursos como tempo e dinheiro para melhorar o clima organizacional?

O motivo é simples e bastante efetivo: estas atitudes aumentam a motivação da equipe. Quando os colaboradores reconhecem que têm um gestor eficiente, que se importa com suas opiniões e bem-estar, tornam-se proativos e satisfeitos, gerando melhores resultados para a empresa.

Categorias
Administração Empreendedorismo Produtividade

5 práticas para um gerenciamento financeiro nota 10!

Abrir e manter uma empresa requerem diversas práticas e habilidades: análise e pesquisa de mercado, demanda e procura do serviço e/ou produtos oferecidos, equipe qualificada. Dentre essas necessidades, o controle e gerenciamento financeiro é, sem dúvidas, o mais importante. A análise constante das finanças é fundamental para manter a saúde econômica da empresa. Com planejamento e controle dos gastos, o empresário saberá a melhor maneira de gerir sua empresa para que ela se mantenha competitiva no mercado.

Investir na organização das finanças evitará surpresas e dificuldades de gestão. E para atingir o planejamento ideal, algumas práticas devem ser adotadas. Confira:

  1. Compreenda a real situação da empresa
    O primeiro passo para iniciar o planejamento perfeito é analisar o atual cenário financeiro da empresa. Uma boa estratégia é anotar os pontos negativos e positivos e compará-los à situação do mercado no qual atua. É necessário estar atento ao processo produtivo da empresa e aos gastos necessários para colocar o produto ou serviço à venda.Atualmente existem diversas ferramentas, softwares e aplicativos de gestão – gratuitos e pagos – que podem auxiliar no monitoramento do processo produtivo. Desta forma, será possível visualizar os recursos que poderão ser mantidos e quais deverão ser cortados para garantir a estabilidade comercial.
  2. Separe a pessoa física da jurídica
    Confundir as finanças pessoais com as da empresa pode trazer consequências desastrosas. Agindo desta forma, chegará um momento que será praticamente impossível analisar os resultados financeiros. Algumas ações simples podem evitar esse cenário, como ter contas correntes separadas para gastos pessoais e da empresa. Além de ser vantajoso por não misturar as receitas, muitos bancos disponibilizam produtos exclusivos para pessoas jurídicas, como linhas de crédito e serviços de cobrança.Outra dica é o empresário definir para si um valor fixo de retirada mensal, como um salário. Evite retirar da empresa valores acima do já determinado no pró-labore para que não haja interferência no caixa. Essa prática evita rombos nas finanças e dificuldades que afetarão o futuro da empresa.
  3. Planeje e esteja pronto para o futuro
    Todas as decisões apresentam certo grau de risco. Isso porque as circunstâncias podem mudar a qualquer momento, levando ao imprevisto. Entretanto, esses riscos podem ser minimizados com uma gestão financeira de qualidade. Para isso é importante que sejam feitas projeções sobre os cenários possíveis em um período de, pelo menos, um ano. Com todos os dados financeiros em mãos, é possível prever o ciclo operacional da empresa e as flutuações de mercado que podem impactar desde o recebimento de um produto ou serviço até a entrega final ao cliente. Definindo com antecedência o valor das despesas que são geradas em cada etapa, será possível prever os gastos e adaptar a receita disponível.
  4. Fique atento ao estoque
    Manter o giro de mercadorias é essencial para manter as finanças sobre controle. Estoques muito cheios geram custos e as mercadorias correm o risco de vencer ou ficarem obsoletas. Por outro lado, estoques insuficientes são prejudiciais para o andamento do negócio. Portanto, para garantir que as vendas e lucros cresçam, armazene os itens no volume correto para o fluxo da empresa.Os fornecedores devem ser aliados nesse processo. Trabalhe com eles de forma que atenda as quantidades mínimas e máximas de reposição. E para que a saúde financeira da sua empresa seja reforçada, negocie prazos que permitam um caixa saudável, mesmo entre os períodos de reabastecimento.Em caso de estoque sobressalente, uma opção viável é organizar promoções. Além de circular a mercadoria parada, essa prática atrai novos clientes ao negócio.
  5. Cuidado com empréstimos
    Recorrer a empréstimos para cobrir folhas de pagamentos e reposição de estoque pode arruinar a saúde financeira da sua empresa. O ideal é que o planejamento permita que todos os custos sejam geridos com as receitas da empresa, evitando os juros que podem devastar o negócio.Mas se o empréstimo for imprescindível, como em casos de reforma ou expansão, calcule o tempo de retorno da verba a ser investida e procure por agências com os melhores planos de pagamentos e taxas mais baixas. Desta forma, serão evitados gastos exacerbados e que não poderão ser reparados a curto e médio prazo.

Adotando essas práticas, com certeza o planejamento financeiro da sua empresa será um sucesso!