Categorias
Destaque Empreendedorismo Escritórios

Dicas para tirar a sua empresa do papel

Apesar da crise econômica, ou até mesmo motivado por ela, o empreendedorismo não para de crescer no Brasil. No último ano, o número de novas empresas criadas no país foi o maior dos últimos 8 anos, ultrapassando 2 milhões de novos empreendimentos (Serasa Experian).

A nossa cultura empreendedora, entretanto, nem sempre é suficiente para manter os negócios abertos, como bem sabemos devido à alta taxa de empresas que encerram as atividades logo nos seus primeiros anos.

Por esta razão, se realizar o sonho de abrir o próprio empreendimento faz parte dos seus sonhos, neste artigo vamos dar dicas essenciais para a fase de planejamento, que irão ajudar a tirar a sua empresa do papel com menos risco!

8 Dicas para tirar a sua empresa do papel

Confira abaixo alguns passos fundamentais que precisa dar antes de começar a vender seu produto ou serviço e de colocar a sua empresa no mercado!

1. Compartilhe sua ideia com quem pode ajudar

Embora a gente sinta, muitas vezes, que as boas ideias devem ser guardadas como um tesouro escondido, os empreendedores percebem que há cada vez mais valor em compartilhá-las com quem pode ajudar a tirar a sua empresa do papel.

Se tem já uma boa ideia de negócio, prepare uma boa apresentação sobre ela, liste as suas principais dúvidas e busque suporte da sua família, de empreendedores mais experiências, de potenciais investidores e de instituições como o Sebrae. Assim, pode receber inputs valiosos do que precisa ser aprimorado em seu planejamento antes de começar a atuar como empresário.

2. Estude o mercado, profundamente

Antes de colocar um negócio para rodar, tenha certeza de que possui um mercado potencial interessante e com possibilidades de escalar resultados. Para isso, busque ferramentas de inteligência de mercado ou, até mesmo, contrate um consultor para realizar um estudo mais completo.

3. Fale com potenciais clientes

Criar um produto ou serviço sem ter certeza de que o público-alvo estará interessado em pagar por ele pode ser um tiro no pé. Felizmente, com a internet é fácil de obter informações sobre o interesse de potenciais clientes, tanto por meio de dados estruturados quanto pela realização de pesquisas quantitativas.

Mas não se esqueça também de realizar conversas aprofundadas para afinar sua oferta a esse mercado específico!

4. Encontre possíveis colaboradores e sócios

Muitos empreendedores pensam que só será necessário estruturar a equipe após o negócio estar rodando e  a demanda ter aumentado. Este pode ser um perigoso engano, principalmente se houver habilidades e competências essenciais ao negócio que não fazem parte do seu perfil.

Por exemplo, se você tem intenção de começar um negócio que envolve desenvolvimento tecnológico, precisará desde os primeiros passos contar com um bom líder para esta área.

Isso não significa, entretanto, começar desde o primeiro dia com uma gorda folha de pagamento. Apenas comece a conversar com seus potenciais sócios e colaboradores e tenha cartas na manga para quando for necessário crescer o time.

5. Tenha um plano financeiro

Falta de planejamento financeiro é um dos principais motivos para empresas encerrarem suas atividades em seus primeiros anos. Por isso, antes mesmo de solicitar a criação de um CNPJ, estruture muito bem seu plano de investimentos até que a empresa comece a dar lucro e possa caminhar com as próprias pernas. Estabelecer um plano de reinvestimento no negócio, da mesma forma, é importante para a sustentabilidade financeira.

6. Elabore a estratégia de Marketing e Vendas

Além do planejamento financeiro, outro plano muito importante a ser realizado antes de tirar a sua empresa do papel é o que diz respeito às áreas de Marketing e Vendas. Definir estratégias e ações principais para gerar reconhecimento de marca, atrair potenciais clientes e fechar negócios deve ser prioridade antes mesmo de começar a desenvolver o produto ou serviço em questão.

7 . Conte com o suporte de um contador

Não são poucas as especificidades envolvidas na hora de tirar a sua empresa do papel. Legislação, tributação, normas municipais… Por isso, nossa recomendação é não deixar de consultar o especialista desde o princípio, para tomada de decisão assertiva em relação aos processos de abertura de um negócio.

8. Encontre o escritório ideal

Independente se a sua empresa possui ponto de venda fixo ou presta serviços a partir de um escritório, é importante contar com um bom endereço comercial como sede. No segundo caso, entretanto, os novos negócios contam com a opção econômica e sob demanda dos coworkings e escritórios virtuais, o que pode representar uma boa economia nos primeiros passos.

Não se esqueça: teste e depois teste novamente!

Neste artigo, você conheceu elementos principais para tirar a sua empresa do papel correndo menos riscos e seguindo de forma mais direta ao sucesso como empreendedor. Tem uma dica, entretanto, que será constante ao longo de toda a sua jornada: fazer testes do seu modelo de negócio.

Desde o modelo de negócio inicial, na abertura da empresa, até checagens contínuas ao longo dos anos. É assim que estará preparado para ajustar a rota e para ter sempre um produto ou serviço relevante para o mercado!

Categorias
Empreendedorismo

10 podcasts para empreendedores – veja dicas!

Recentemente, um formato de conteúdo que já existe há certo tempo vem se tornando mais e mais popular: os podcasts, programas de áudio disponíveis online, estão se configurando como uma forma prática de aprender, onde quer que se esteja.

É claro, existem excelentes programas deste tipo também para quem quer aprender mais sobre gestão e negócios. Quer saber quais são os melhores podcasts para empreendedores? Continue lendo nosso artigo!

Os melhores podcasts para empreendedores

Tem interesse em mergulhar no universo dos podcasts? Separamos nossos 10 programas favoritos sobre empreendedorismo, gestão e desenvolvimento pessoal para você começar. Confira!

1.TEDTalks Negócios

Quer aprender com alguns dos maiores nomes do mundo dos negócios? Nos podcasts do TEDTalks Negócios você tem acesso a conteúdo de grandes nomes, como Bill Gates, Carol Dweck e Shonda Rhimes, que compartilham seu conhecimento sobre gestão, produtividade, qualidade de vida e desenvolvimento pessoal.

2.GVCast

O GVCast é o podcast do canal de conteúdo Geração de Valor, do empreendedor brasileiro Flávio Augusto. Nos programas, com duração média de 1 hora, o empresário e escritor compartilha seus aprendizados e entrevista outros grandes nomes brasileiros do cenário corporativo.

3. NerdCast

Uma vez por mês, o tema do NerdCast é empreendedorismo, em um programa patrocinado pelo MeuSucesso.com. Os temas são sempre muito bem desenvolvidos pelos apresentadores, que abordam assuntos como empreendedorismo de palco, cases de sucesso, estratégias de marketing, entre outros.

Recomendamos começar com a entrevista feita com Rick Chestner, o vendedor de água mineral que divulgou seu pensamento nas redes sociais e acabou palestrando em Harvard.

4. Like a Boss

Gosta de histórias reais de empreendedorismo? Então os podcasts do Like a Boss vão conectar você a casos inspiradores dos líderes e fundadores de startups de tecnologia. Entre eles, Julio Vasconcellos (Peixe Urbano), David Vélez (Nubank) e Eric Santos (Resultados Digitais).

5. Startapo

Sem dúvidas, o Startapo é um dos melhores podcasts para empreendedores que estão mergulhando no universo das startups  – ou se planejando para isso. Apesar de não ter conteúdos novos há algum tempo, o histórico disponível não poderia ser mais atual, com temas como produtividade e empreendedorismo em tempos de crise.

6. Man in the Arena

Outro excelente canal de conteúdo sobre empreendedorismo que, infelizmente, não tem recebido conteúdos atuais. Nem por isso, entretanto, o Man in the Arena deixa de ser um dos podcasts mais úteis para quem quer se conectar a histórias de empreendedorismo. São mais de 100 entrevistas feitas com fundadores e executivos de negócios brasileiros, especialmente no setor de tecnologia.

7. HBR IdeaCast

Para aqueles que querem aproveitar a oportunidade de aprender sobre empreendedorismo e praticar inglês ao mesmo tempo, o HBR IdeaCast é o programa de podcasts da Harvard Business Review, um dos maiores portais de gestão e empreendedorismo do mundo. A qualidade do conteúdo é excelente e, em boa parte, apresentada por professores da Universidade de Harvard.

8. Sacadas de Empreendedor

Erico Rocha é reconhecido por suas estratégias para lançamento de produtos e empresas digitais de sucesso. No Sacadas de Empreendedor, ele compartilha seus principais ensinamentos para quem está pensando em seguir este caminho, falando sobre vendas, marketing, relacionamento com o cliente, entre outros temas.

9. ResumoCast

Sem tempo para ler os livros para empreendedores que recomendam a você? O pessoal do ResumoCast resolve seu problema, com resumos muito bem elaborados sobre leituras importantes como Marketing 4.0 (Philip Kotler), Sonho Grande (Cristiane Correa) e Nada Easy (Tallis Gomes). Ao todo, são mais de 100 obras resumidas neste canal de conteúdo.

10. High Performance Habits

Brendon Burchard é um verdadeiro mestre da produtividade e da qualidade de vida, que compartilha ensinamentos essenciais para o sucesso de um empreendedor no High Performance Habits. No Spotify, além de podcasts, você pode ouvir gratuitamente seus audiobooks.

Que tal criar uma rotina?

Cada vez mais, podcasts para empreendedores são uma maneira simples de manter-se atualizado sobre tendências, conceitos e oportunidades de mercado. Felizmente, isso pode ser feito nas suas pausas de rotina, enquanto dirige, está na academia ou espera por uma reunião.

Nossa sugestão, portanto, é assinar os canais que recomendamos e começar a criar uma rotina de ouvir este tipo de conteúdo. Temos certeza de que virão muitos insights valiosos para o seu negócio!

Categorias
Administração Empreendedorismo

Por que Customer Success pode ajudar a sua empresa a crescer?

Todo empreendedor sabe o quanto é trabalhoso (e caro) conquistar novos clientes, desde o processo de divulgação do produto ou serviço até a assinatura do contrato. Philip Kotler, um dos maiores nomes do Marketing, transforma isso em números: em média, um novo cliente custa 5 vezes mais do que a retenção de um atual.

Mesmo assim, as pequenas e médias empresas, especialmente as novas no mercado, destinam boa parte de seus esforços comerciais para este modelo mais caro, se preocupando pouco em afinar as estratégias após ter o cliente dentro de casa.

Em um cenário no qual os compradores são cada vez mais exigentes, se contentar apenas com um bom Suporte ao Cliente (SAC) há tempos deixou de ser o suficiente. É preciso, cada vez mais, contar com ações de Customer Success (CS), começando logo no início do relacionamento entre seu negócio e seu cliente.

Ainda não sabe o que esse termo significa? Este é o tema deste artigo!

O que é Customer Success?

Afinal, o que é e para que serve uma área ou um profissional de Customer Success? Essa estratégia, bastante comum entre startups e empresas de software, está totalmente relacionada à mudança no estilo de venda que temos observado nos últimos anos.

Se temos a necessidade de uma negociação muito mais consultiva nos dias de hoje, não poderíamos continuar com o mesmo modelo de pós-venda que estamos acostumados a ver no mercado, baseado muito mais em resolução de problemas do que em sua antecipação e, até mesmo, no suporte para plena utilização dos recursos da solução vendida.

A tradução de Customer Success é sucesso do cliente – e é esta a função desta área ou deste profissional! Garantir que seu cliente tenha sucesso no seu negócio por meio de seu produto e serviço, atuando como um consultor estratégico e de forma proativa, não apenas quando houver alguma demanda clara.

O trabalho do CS acontece prioritariamente de forma remota, mas há também a possibilidade de atuação em treinamentos ou reuniões presenciais para alguns perfis de clientes. O que importa, de fato, é manter a recorrência no contato e explorar as principais dores, dificuldades e oportunidades para cada empresa da carteira.

Vale lembrar que, neste modelo, o importante não é fazer com que o cliente sinta-se valorizado por meio de um relacionamento baseado em benefícios pessoais, como presentes, por exemplo, mas sim que ele tenha todo o suporte para alcançar seus objetivos profissionais dentro da empresa.

Quais as vantagens de investir em Customer Succes?

Depois de entender a função de Customer Success em uma empresa, quais são os motivos para investir neste tipo de contato consultivo com os clientes, especialmente em um cenário no qual redução de custos é tão importante?

Construção de relacionamentos sólidos

Quando um cliente sente que tem um parceiro com quem pode contar e que entende realmente de seu negócio e de seus objetivos, mesmo em um momento de baixa do mercado ou de queda nos resultados, ele irá relutar em finalizar qualquer tipo de contrato.

Ou seja, um cliente bem amparado por Customer Success dificilmente deixará de ser seu cliente, renovando continuamente o contrato.

Facilidade para perceber novas demandas

Além da manutenção da recorrência comercial, um profissional de Customer Success que mantenha um bom relacionamento com sua carteira de clientes será capaz de perceber novas oportunidades dentro das empresas de uma forma muito mais fácil.

É a partir deste olhar mais próximo que surgirão oportunidades de cross-sell, a venda de outras soluções dentro do mesmo cliente.

Recomendações para potenciais clientes

As indicações são uma das fontes de novos clientes que costumam ter uma excelente taxa de conversão, além de exigir menos esforços no processo comercial. Portanto, nada melhor do que receber recomendações de potenciais clientes a partir de sua base atual.

Clientes satisfeitos tendem a recomendar seus fornecedores para profissionais de seu círculo de contatos profissionais, não desperdice essa oportunidade por não contar com uma estratégia de Customer Success.

Comece aos poucos, escale com o tempo!

Ao conversar com empreendedores, sentimos que, muitas vezes, a ausência de Customer Success em uma empresa está relacionada à falta de recursos humanos para atender a esta demanda (e a falta de recursos financeiros para fazer uma nova contratação).

Neste caso, a recomendação é: comece pequeno. Por ser uma estratégia diretamente relacionada à geração de negócios, o retorno virá em médio ou longo prazo. Por isso, se não tem um profissional de CS como parte da equipe, comece um piloto você mesmo ou aloque horas de profissionais que já fazem parte do time, ainda que para implementar a estratégia a uma pequena fatia dos clientes atuais.

Com o tempo, o retorno virá e você poderá escalar essa operação, com a contratação de profissionais mais experientes e prestando um suporte cada vez mais estratégico!

Categorias
Administração Empreendedorismo

Planejamento anual para pequena empresa: o que é importante?

Os empreendedores que conseguem sobreviver aos cinco primeiros anos de negócio são apenas 33% no Brasil (Sebrae-SP). Segundo os especialistas, o principal motivo para isso é não traçar estratégias e colocá-las no papel logo no início das operações. Portanto, por mais que pareça desnecessário quando tudo que acontece está tão perto do fundador, realizar um planejamento anual para pequena empresa, sem dúvidas, é fator determinante para o sucesso – e para a sobrevivência no mercado.

Mas o que é importante como elemento deste planejamento? Neste artigo, vamos listar os elementos essenciais que devem constar na elaboração deste documento, especialmente se você está à frente de uma PME (pequena ou média empresa). Confira!

O que precisa estar no planejamento anual para pequena empresa?

Antes mesmo de começar a escrever seu planejamento anual para pequena empresa, é preciso conhecer bem quais serão os seus pilares. Ou seja, as áreas e os temas para os quais precisará reunir informações, buscar conhecimento e referências e ouvir seus colaboradores e clientes para sair com as melhores estratégias. Veja quais são:

1.Histórico de resultados

Se o planejamento é para uma empresa que já está em operação, olhar para os resultados dos períodos anteriores é o primeiro passo a ser dado. Com base nos números, será possível enxergar onde estão os gargalos para o crescimento e para a melhoria dos resultados.

É preciso tornar a empresa mais conhecida? O processo comercial precisa ser mais assertivo? Os custos precisam ser reduzidos? Ao responder essas perguntas, você será capaz de traçar os objetivos principais para seu plano de ação.

2. Perspectivas para crescimento

Com o histórico em mãos e um olhar apurado para o momento do mercado, é hora de fazer estimativas realistas e, ao mesmo tempo, desafiadoras para os resultados que deverão ser atingidos pela equipe no próximo ano.

Aqui, cabe lembrar que seu time precisa comprar as metas. Portanto, não se esqueça de envolver os colaboradores na elaboração destes objetivos.

3. Estratégias de Marketing

Marketing é uma área fundamental para garantir resultados comerciais. Por esta razão, depois de definidas as metas de vendas, estabeleça quais serão as ações de Marketing para que seja possível atingi-las.

Não se esqueça de que o retorno sobre o investimento deve guiar suas decisões juntamente com a meta de leads e negócios fechados.

4. Plano financeiro

Aqui, devem ser estabelecidos a previsão de fluxo de caixa para cada mês, trimestre, semestre e ano, além dos investimentos necessários em cada período. Há um mês com menor resultado comercial? Será necessário ampliar o escritório ou mudar de coworking? Esse tipo de informação precisa estar detalhado, com previsão de valores financeiros a serem seguidos.

5. Previsão de contratações ou mudanças no time

Da mesma forma que deve ser feito com as Finanças, é preciso pensar com antecedência em como será a configuração do time no próximo ano. Novas contratações e demissões, promoções de colaboradores e mudanças na estrutura organizacional devem ser contempladas aqui.

6. Métricas a serem monitoradas

Por fim, não se esqueça das métricas que devem ser monitoradas com frequência por você e pelo seu time, a fim de ter um entendimento completo do que está permitindo ou impedindo as metas de serem alcançadas. Essas análises permitem mudanças de rotas e ajustes ao longo do tempo e mantêm seu foco rumo ao objetivo final.

Focar em resultados e adaptar seu plano

Quando falamos com os empreendedores sobre planejamento anual para pequena empresa, é comum ouvirmos que esse documento acaba sendo descartado ao longo do ano, pois tudo muda muito rápido nesse perfil de negócio. Pode até ser verdade, porém, para sobreviver no mercado de forma sustentável, é preciso passar por esse exercício e saber para onde vai.

Sem dúvidas, o planejamento anual deve ser feito por você. E sim, ele irá deixar de fazer sentido em algum momento do ano. Mas, então, será momento de revê-lo e de replanejar seus próximos passos!