Categorias
Produtividade

SMART BRASÍLIA: você está vivendo o chamado do propósito?

O propósito é aquilo que nos faz caminhar. Leia sobre a importância de ter claridade sobre isso, e o valor de estar atento ao chamado!

Em meio a momentos de dúvidas ou de desânimo, perguntamo-nos sobre o sentido do que fazemos e o que fazer, e nos sentimos novamente tocados pelo chamado do propósito.

Tais questionamentos (e respostas) acontecem na nossa vida pessoal e também no âmbito do negócio com o qual nos dedicamos. Mas, finalmente, o que é chamado? E o que é propósito?

Propósito 

Uma das perguntas mais presentes na vida humana, é sobre o propósito; no dicionário Michaelis, palavras como desígnio, plano, projeto e vontade aparecem como sinônimas do termo.

O propósito é entendido como aquilo que dá sentido à existência. Durante muitos séculos – especialmente a partir de uma visão religiosa da própria existência – foi considerado que o propósito era algo dado a cada ser humano por um Ser superior.

Neste sentido, o termo propósito estaria muito mais próximo da ideia de desígnio ou de vontade divina.

Entretanto, a partir do período contemporâneo – e especialmente da Filosofia Contemporânea, que é o conjunto de autores e linhas de pensamentos mais próximos ao nosso tempo – passamos a pensar que, se a existência tem sentido, esse é definido por cada um de nós.

chamado do propósito

Autores como Jean Paul Sartre definirão o sentido da vida como algo intrinsecamente relacionado às escolhas que vamos fazendo ao longo da nossa própria vida; e, obviamente, junto dessas escolhas, as consequências que delas procedem.  

Já nesta linha, o propósito – a diferença da ideia movida pela religiosidade – estaria muito mais ligado às ideias de plano, projeto ou vontade pessoais.

A princípio, podemos notar contradições entre esses dois posicionamentos: de um lado o pensamento religioso, e, de outro, a filosofia contemporânea.

No entanto, mais que contradição, trata-se de duas formas de posicionar-se ante a própria existência. E é totalmente possível conciliar a dimensão espiritual e religiosa da vida com o anseio contemporâneo de fazer-se cada vez mais responsável pelo próprio caminho.

Assim também, os propósitos que guiam o atuar em um negócio – ainda que pequeno – dependem de um reconhecimento dos anseios que se tem sobre ele. 

Chamados pelo propósito 

Seja como for, o propósito, aquilo que dá sentido à nossa vida, continuamente se faz presente em momentos em que estamos diante de decisões cruciais. 

Trazer à mente (e ao coração, porque não somos apenas racionais) os objetivos que construímos e pelos quais vivemos e lutamos ajuda, e muito, a reorientar o nosso caminho quando, por alguma ou por várias razões, nos afastamos do nosso propósito.

Mas isso requer tempo para si e atenção.

Reconhecer qual é o meu propósito pessoal permite que eu elabore um projeto de vida.

chamado do propósito

É por meio de um projeto pessoal que posso definir meu objetivo e as pequenas metas para alcançá-lo. Ele dará sentido à vida.

Já o chamado do propósito nos fará voltar ao centro do nosso caminho quando dele, nos afastarmos.

As pessoas com as quais partilhamos os nossos sonhos também podem ajudar-nos a retomar o chamado do propósito.

Por isso, ter amigos e ambientes de trabalho onde é possível compartilhar vivências, ajuda.

Projeto de Vida e de negócio

Viver sem um projeto de vida conscientemente elaborado é semelhante a entrar em um carro desconhecido e que se dirige a um destino desconhecido.

Imagine o risco!?

Por outro lado, porém, ser donos da própria vida, mais que um egoísmo sustentado em um egocentrismo, é sinal de que queremos melhorar cada vez mais nossa própria humanidade, e isso leva consigo – inegavelmente – uma preocupação pelo bem-estar dos demais.

Para bem fazer um projeto de vida, é preciso, em primeiro lugar, reconhecer em que lugar estamos e como estamos vivendo.

A partir disso, podemos começar a vislumbrar onde queremos chegar.

Qual o nosso objetivo? Qual o nosso propósito?

Mas o nosso projeto de vida deve ser construído com pequenos passos, em pequenas etapas.

Dificilmente chegaremos a um objetivo grande do dia para a noite; precisamos dar pequenos (e contínuos) passos.

Além disso, é preciso ter claro que o nosso objetivo deve ser algo realizável. 

A princípio, poderíamos pensar, então, nas nossas limitações; no entanto, embora seja importante considerá-las, o fundamental é perguntar-se como partir delas para, com e apesar delas, fazer algo novo.

Ainda não podemos deixar de definir, com claridade e realidade, quais os meios com os quais contar, como e quando utilizá-los.

Poderia dar-se situações em que não contamos com os meios adequados para trabalhar por um objetivo.

Nesses casos, então, deveríamos perguntar-nos se não seria importante projetar outros objetivos antes.

Já no âmbito profissional e empresarial, também é importante planificar os objetivos, traçar as metas que se quer alcançar, e fazer um balanço real dos meios disponíveis. 

Nesse sentido, a colaboração de uma equipe é importante, e para que esse processo seja exitoso, é desejável que os participantes também façam seu caminho pessoal de crescimento. 

Rumo ao propósito

Ter propósitos e metas nos mantêm vivos.

Saber onde queremos chegar é importante para que saibamos como caminhar; por isso, reconhecer e até mesmo construir um propósito é uma tarefa vital.

Além disso, estar atento aos chamados do propósito, esses sinais de alerta que encontramos, nos ajuda manter sempre o foco.

Categorias
Escritórios Produtividade

SMART NITERÓI: Estudo mostra que 30% das empresas devem manter home office após a pandemia

O home office foi uma solução de emergência para várias empresas durante a pandemia, mas parece que a nova modalidade de trabalho veio para ficar. 

Algo inesperado vem surpreendendo a humanidade desde o ano passado. Um vírus parou o mundo, e fez países inteiros suspenderem várias atividades econômicas.

A pandemia da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus, trouxe à tona, novamente, a vulnerabilidade humana. 

Um vírus microscópico parou várias corporações e causou dificuldades econômicas para famílias e para grandes nações.

Quando começaram a chegar as notícias dos primeiros contágios na região de Wuhan, na China, tudo parecia ser muito longínquo, e até mesmo pensamos que aquilo não cruzaria céus e mares e chegaria até nós.

Já em fevereiro, acompanhamos com maior cautela as notícias da lamentável situação que a Itália teve que enfrentar. 

Mas em um mundo interconectado, não são somente as notícias que chegam rápido. No Brasil, no final de fevereiro e começo de março começaram a sair as notícias dos primeiros infectados pelo vírus.

A partir daí palavras como lockdown, quarentena e isolamento social passaram a fazer parte do nosso vocabulário, e álcool em gel e máscara, do nosso cotidiano.

Home office

As medidas de isolamento social, que visavam diminuir o índice de contágios, impôs, em alguns lugares, rigorosos controles de circulação de pessoas.

Apenas os serviços essenciais podiam funcionar, e muita gente teve que ficar em casa.

Com isso, outra palavra começou a aparecer cada vez mais constantemente nas redes e nos demais meios de comunicação.

home office

O home office foi a solução adotada por empresas de todo o mundo para que seus funcionários continuassem trabalhando em suas próprias casas.

Grandes empresas e até mesmo instituições do Estado passaram a fechar seus escritórios e organizar todo, ou grande parte, do trabalho de maneira remota.

Para tal, as ferramentas de videochamadas passaram a ser essenciais, e o Zoom, Meet ou Skype substituíram, muitas vezes, as agendas e as canetas.

Por um lado, as empresas economizaram por já não terem gastos relacionados à manutenção mensal dos escritórios; por outro, os investimentos passaram a ser para a aquisição de serviços que possibilitassem o trabalho remoto e para oferecer treinamentos para os profissionais.

No começo muitos trabalhadores consideravam que se tratava de algo temporário, e que, com a chegada da vacina, o trabalho voltaria ao normal, e os escritórios estariam novamente ocupados.

Porém, muitas empresas notaram as vantagens da modalidade de trabalho virtual, e passaram a considerar a possibilidade de mantê-lo. 

Curiosamente, gestores compreenderam, por exemplo, – graças à crise – que muitas viagens a trabalho podiam facilmente ser substituídas por encontros virtuais, e a economia é considerável. 

Investimento em segurança da informação

Uma pesquisa realizada em junho do ano passado conversou com diretores de 17 países que trabalham com tecnologia da informação. Ainda 400 entidades públicas e privadas foram ouvidas.

Os gestores mencionaram que as empresas viram muitos benefícios no home office, mas também notaram o aumento de tentativas de ataques cibernéticos.

Os resultados mostraram que 90% das empresas planejam aumentar os investimentos em segurança virtual. Alguns falam em mais de 250 mil dólares nos próximos dois anos. 

Frederico Tostes, country manager da Fortinet Brasil e VP de Cloud para a América Latina, disse que “não só o investimento em tecnologia é fundamental para manter os dados seguros, mas também o treinamento e a conscientização constante de todos os funcionários”.

Futuro

Para o futuro, possivelmente os antigos modelos de escritórios pouco funcionais, e cujo custo de manutenção era altíssimo, devem ficar para trás. 

Embora algumas empresas mantenham o modelo, é estimado que muitas  optem pelo home office de maneira definitiva.

Além disso, surge também outra opção. É o chamado coworking, que vem ganhando espaço no Brasil. 

Na modalidade, escritórios são compartilhados por empresas, o que diminui os custos. 

Com a modalidade, torna-se possível, por exemplo, o aluguel de salas por hora, representando assim uma considerável economia, pois os espaços comuns de trabalho poderão ser utilizados esporadicamente com a continuidade do home office. 

A Smart traz as melhores opções de escritórios inteligentes e ajuda as empresas que buscam espaços funcionais para operar.

O coworking é uma boa opção ainda para profissionais de marketing, que necessitam espaços confortáveis de trabalho onde possam intercambiar ideias e exercitar a criatividade.

Conclusão

A crise causada pela pandemia do Coronavírus obrigou várias empresas a interromper o funcionamento normal. 

A solução encontrada por muitas foi o home office. A nova modalidade permitiu que profissionais continuassem trabalhando desde suas casas.

Para o futuro, provavelmente o modelo usado por anos, de escritórios amplos,  com custos operacionais altos e, algumas vezes, com poucos resultados, deve ficar para trás.

O home office deve ganhar cada vez mais campo.

Mas, quando a vida social possa voltar medianamente ao normal, algumas empresas necessitarão de espaços para uso coletivo. Aí entra o coworking. 

A modalidade permite o compartilhamento de escritórios entre várias empresas, o que possibilita a interação entre profissionais e também a economia administrativa, já que, por exemplo, torna-se possível que mais de uma empresa alugue o mesmo escritório.

Categorias
Finanças

SMART RIO: O que esperar da economia carioca em 2021?

Com um ano atípico em 2020 devido à pandemia a economia carioca em 2021 terá que se reinventar para se recuperar neste ano vindouro 

Este ano de 2020 foi um ano incomum, não somente para o Brasil, todavia para o mundo. 

Um ano que começou cheio de esperança, mas no meio do caminho devido à pandemia fez com que inúmeras empresas fechassem e aumentasse o desemprego na cidade maravilhosa.

Mas agora é arregaçar as mangas, comemorar que estará comemorando um ano vindouro e torcer para que a economia carioca em 2021 volte ao seu “normal” nem que seja em passinhos de formiga. 

Porém, a economia carioca, ou seja, da cidade do Rio de Janeiro terá que ter força para se recuperar. 

Com lojas fechadas, e apenas o essencial funcionando, o estado que  é a considerada a segunda maior economia do Brasil, ficando somente atrás de São Paulo, terá que se reinventar para voltar a crescer. 

Conhecida por suas belas praias, paisagens a cidade se desenvolve através de prestação de serviços e de um turismo forte e constante que recebe milhares de pessoas tanto do Brasil quanto de todo o mundo, o que este ano foi impossível de acontecer. 

Contudo, uma nova forma de se viver teve que ser adaptada pelos moradores da cidade para reter a Covid-19 como o distanciamento e não poder  se aglomerar.

Com essas práticas de segurança para a saúde, algumas mudanças no costume foram modificadas e por decorrência farão com que as tendências na economia carioca em 2021 e nos negócios sejam diferenciadas.

Quais são os principais setores econômicos da cidade do Rio de Janeiro?

Alguns setores impulsionam o mercado da economia carioca e são divididos em três setores: o primário, o secundário e o terciário. 

O setor primário corresponde a produção ligada aos recursos extraídos da natureza como, por exemplo, a agricultura, pesca e mineração. Se destacando a produção de cana-de-açúcar, mandioca, banana entre muitos outros. 

O setor secundário está ligado aos produtos industrializados. Utiliza-se a matéria-prima do setor primário para termos o setor secundário como a fabricação de roupas, alimentos, automóveis, etc. 

Neste setor é o que a maioria dos países estabelece a grande parte da economia. No Rio de Janeiro destaca-se extração de petróleo, siderurgia, metalurgia entre outros.

O setor terciário, é o que engloba a prestação de serviços, o não material como o comércio, turismo, transportes, telecomunicações, serviços de alimentação, etc. Tendo em destaque o setor de turismo na cidade. 

Com a pandemia das pessoas, as empresas se reinventaram, o mundo se reinventou. 

Você já imaginou trabalhar e ter um parque de diversões no seu trabalho No Japão parque vira um espaço de trabalho incrível confira na leitura! 

Confira abaixo algumas tendências para alavancar a economia em 2021 em meio a lockdowns. 

Quais são as tendências para a economia carioca em  2021? 

Recuperar a economia carioca é o desejo de todos os moradores da cidade, ver a vacina chegar, à vida começar a voltar para o lugar e a cidade a crescer. 

Seguem algumas das tendências econômicas para 2021!

  • Delivery: Com a prática do isolamento social e do distanciamento o serviço de delivery cresceu, e com isso, essa praticidade ganhou nova visibilidade no mercado que crescerá cada dia mais. 
  • Ensino à distância (EAD): em um ano que não pudemos ter aglomerações, mas também não podíamos deixar de lado a educação, o setor cresceu bastante e passou a ser uma nova forma de realidade social e aprendizado.
  • E-commerce: com lojas físicas fechadas, muitas empresas adaptaram o negócio para o mundo digital e algumas que já tinham o e-commerce como complemento do empreendimento desenvolveram uma melhor estratégia para não perder os clientes e deixar o capital investido parado. Neste setor também gera crescimento para outros setores como de logísticas e outras prestações de serviços como de marketing para alavancar ainda mais as vendas. 

Com um ano diferente economicamente e créditos mais escassos no mercado muitos empreendedores optaram pela maneira coworking de trabalhar para passar por essa fase e ter um 2021, cheio de esperança e dias melhores, entenda como o Coworking é uma boa ideia

Conclusão

Em um ano tão fora do normal, se Reinventar foi a palavra-chave para que a economia carioca em 2021 possa ser melhor que em 2020. 

Claro, que depende de vários fatores governamentais, para que tudo volte ao seu estado normal e esperamos que isso aconteça o mais breve possível. 

Portanto, não podemos perder a esperança de um ano melhor, seja com lockdowns ou não, podemos crescer e compartilhar de tudo que aprendemos com Burocracia zero! E economia garantida! 

Para conquistarmos nossos objetivos.

Neste ano tão atípico através de um estilo de vida mais consciente e colaborativo e de grande esperança que dias melhores virão!

Categorias
Livro: Empreendedor Smart

Passo a Passo para montar seu TIME SMART campeão!

O sucesso de uma empresa depende do time de profissionais que fazem parte dela. E um time campeão só pode ser formado por um empreendedor bem preparado. 

Em primeiro lugar, é preciso deixar claro que ao investir em um negócio, duas opções surgem diante de um empreendedor. 

Ou ele decide fazer o que todos fazem, ou se aventura em uma jornada de modo a ser um Empreendedor Smart. No Brasil, essa categoria ainda é minoritária.

O termo vindo do inglês, como muitos devem saber, significa inteligente. 

E neste contexto, refere-se à aplicação de estratégias para uma boa gestão empresarial.

Por gestão poderíamos entender várias coisas; contudo, nos basta defini-la como uma administração estruturada, que possibilita a uma empresa diminuir seus gastos, ao mesmo tempo, em que gera mais lucros.

Para obter tais resultados, no entanto, um Empreendedor Smart necessita pôr em prática meios de otimização empresarial.

Um Time Smart campeão

Na aventura chamada empreender um dos principais aspectos a serem tratados é a contratação das pessoas certas para as funções exatas.

A formação de um time bem estruturado, com colaboradores proativos e dispostos a crescer juntos é meio caminho andado para o sucesso.

Mas atenção! Estamos falando de pessoas certas para as funções exatas. 

Com isso, cabe mencionar que um Empreendedor Smart tem em consideração o crescimento não apenas da sua empresa, mas também do seu time, e de cada colaborador em particular.

E ademais, sabe contratar as pessoas de acordo às capacidades que já possuem, e às possibilidades de desenvolvimento que demonstram.

Ainda que uma gestão eficaz seja aquela capaz de produzir bons resultados, por meio da diminuição dos custos e do incremento dos ingressos, isso não significa que seja o dinheiro aquilo que deve estar sempre em primeiro lugar.

Não. Pelo contrário. Em nosso tempo urge o aparecimento de gestores com um olhar humano. 

Não podemos apostar pela objetificação das pessoas, de modo a um sucesso empresarial que destrói o outro.

Além disso, a formação de um Time Smart campeão passa necessariamente pelo conhecimento daqueles que querem fazer parte da nossa equipe, e pela apresentação a eles dos objetivos e metas da empresa. 

Por isso, trabalhe com sua equipe os princípios OKRs (do inglês, objetivos e resultados-chave).

Nessa linha, até mesmo perante uma inevitável demissão, um Empreendedor Smart deve ter em conta o cuidado e o respeito ao colaborador que será desligado da empresa.

Escalando um Time Smart

O treinador, ou melhor, empresário Saulo Da Rós, no seu livro O Empreendedor Smart dá uma série de dicas interessantíssimas para quem está querendo começar um negócio ou melhorar os resultados de uma empresa.

Um ponto central da obra, é precisamente sobre a formação de um Time Smart campeão.

Saulo nos apresenta 4 pilares fundamentais nessa empreitada:

1.    Contratação

TIME SMART
Bussiness people working in team in an office

O tempo empregado para a contratação de pessoas para um Time Smart nunca deve ser visto como algo sem importância, senão como um dos principais investimentos em um negócio.

Para isso, poderíamos inspirar-nos em grandes homens de negócios do Vale do Silício que empregam algumas horas semanais para conversar com candidatos a vagas em suas empresas.

2.    Treinamento

A experiência que um novo colaborador contratado traz consigo pode ser importante. 

Mas, isso não é suficiente, e inclusive um membro do time contratado sem experiência poderia dar melhores resultados, se treinado corretamente, em comparação com alguém experiente, mas que não recebeu o treinamento devido, ou que não quis expandir seus conhecimentos.

Invista tempo em treinamento. Poderia ser a semana inicial do colaborador, mas também, pelo menos, um dia por mês dedicado à capacitação de toda a equipe.

As capacidades inter-relacionais também devem fazer parte do treinamento, e a presença de uma empresa em um espaço de coworking pode ser uma boa ideia para fomentar as capacidades de gerir relações sãs.

3.    Cartão amarelo

Como Saulo Da Rós utiliza a metáfora com o futebol para falar de gestão empresarial inteligente, um dos pilares da formação e manutenção de um Time Smart campeão e altamente qualificado é o uso do cartão amarelo.

No futebol, o cartão dessa cor é utilizado como advertência ante uma falta grave cometida por um jogador, mas que não necessariamente é punível com uma expulsão.

Na gestão empresarial, o cartão é um comunicado formal, por escrito, entregue a um colaborador quando comete alguma falha séria, ou quando se repetem erros que já haviam sido antes advertidos.

Lembre-se, qualquer correção deve ser feita de maneira respeitosa, e tendo em conta o bem do próprio colaborador. E de preferência deve ser realizada de modo privado.

4.    Cartão vermelho

Quando definimos o que é um Time Smart campeão, falamos acerca da importância de contratar pessoas certas para funções exatas. 

E na gestão de um time de trabalho, pode haver momentos nos quais é inevitável o uso do cartão vermelho.

Essa ferramenta só deve ser utilizada quando não há mais possibilidades de ajudar um funcionário a melhorar sua atuação. 

No entanto, também poderia existir algumas circunstâncias que exijam um desligamento imediato do funcionário.

A ideia aqui não é prejudicar o funcionário, mas sim ter em consideração que pode haver colaboradores que não contribuem, mas sim geram dificuldades para o time e para a equipe.

Para essas circunstâncias, evite sempre qualquer tipo de situação vexatória para o funcionário, e trate de conversar com ele de maneira amigável e respeitosa para comunicar-lhe a demissão.

Hora do jogo

Esperamos que as dicas que apresentamos aqui ajudem na gestão do seu negócio.

A aplicação dessas estratégias de formação de um Time Smart campeão são gradativas, os passos devem ser dados pouco a pouco para chegar à vitória.

Mas não esqueça do quão fundamental é o investimento em preparação, e não apenas dos seus colaboradores. 

Um empreendedor que queira obter melhores resultados deve estar sempre se atualizando, por isso não deixe de ler O Empreendedor Smart de Saulo Da Rós.

Mas também, como sabemos que o tempo é algo muitas vezes escasso na vida dos empreendedores, convidamos você a conhecer agora mesmo os melhores cursos online para empreendedores. 

Dê uma olhada e invista no futuro da sua empresa.

Categorias
Administração Finanças

Smart Brasilia – LGPD: um novo olhar para empresas e consumidores

Com o LGPD você pode conquistar a confiança de seus consumidores.

Todo empreendedor já deve ter ouvido falar sobre a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados – da qual entrou em vigor em agosto de 2020).

Ele nada mais é do que uma forma de garantir que as empresas protejam todas as informações pessoais de seus clientes, sem que haja risco de vazamento de dados ou até mesmo de outras companhias terem acesso a esses materiais.

Além disso, essa nova lei tem como objetivo garantir que os consumidores tenham conhecimento do uso de seus dados, independente da natureza da ação.

Apenas com essa breve explicação, podemos ver que a LGPD é muito importante para as empresas e para os seus clientes. Mas será que você já sabe tudo sobre o que ela pode oferecer ao negócio?

Como a LGPD funciona?

Basicamente, a Lei Geral de Proteção de Dados permite que qualquer pessoa que seja titular de certas informações, tenha o total controle sobre elas.

Ou seja, nenhuma empresa poderá utilizar os dados de um cliente, sem que o mesmo permita a ação.

Com isso, apenas as companhias com permissão do consumidor, poderão ter acesso às suas informações pessoais.

Essa prática acaba tendo um grande impacto para empresas dos mais diferentes segmentos como marketing, TI e comercial.

Para que uma empresa possa estar de acordo com o LGPD, ela precisa seguir uma série de regras que foram estabelecidas pela lei.

Ou seja, para que um site possa coletar dados como nome, endereço residencial, e-mail, endereço de IP, etc… é preciso que isso seja feito através de uma das dez, bases legais que foram previstas pela norma.

Como o LGPD pode afetar o relacionamento entre empresa e consumidor?

Com o surgimento do LGPD o consumidor passa a ter mais confiança no momento de compartilhar seus dados com uma empresa, pois a mesma não apresentará o risco de vazamento de materiais.

Isso porque antes de a lei entrar em vigor, era muito comum que algumas companhias vendessem ou até mesmo vazassem informações pessoais de seus clientes para o restante do mercado.

Essa prática acabava levando ao consumidor receber e-mails e ligações que não foram solicitadas e até mesmo cadastros em empresas que ele nunca havia consumido.

É preciso alertar o seu público

Como se trata de uma lei nova, muitas pessoas ainda não conhecem como a mesma funciona.

É muito interessante que as empresas passem esse conhecimento para frente, já que isso além de ajudar outras pessoas, também traz uma visão positiva da marca.

Uma boa forma de fazer isso (principalmente em sites de e-commerce) é com o uso de janelas que solicitam a permissão para o uso de certas informações pessoais.

Fazendo isso, o cliente terá total conhecimento sobre o que e como será usado pela empresa em questão.

Seja uma empresa que se destaca em confiança

Quebrar paradigmas é um ponto muito positivo no mundo dos negócios, desde que essa ação seja feita com sabedoria.

Mas o que poucas companhias sabem é que graças à nova Lei de Proteção de Dados é possível conquistar ainda mais clientes e até mesmo dar uma nova visão ao seu negócio.

Isso porque como foi comentado anteriormente, as empresas que respeitam o sigilo entre marca e cliente, terão maior chance de tê-los de volta consumindo do seu negócio.

O que quer dizer que a companhia que se apresentar mais fiel ao LGPD será vista com mais confiança pelos olhos das pessoas.

Apesar de parecer algo óbvio, muitas marcas presentes no mercado acabam exaltando demais as propagandas sobre proteção de dados e deixam a desejar depois.

Esse tipo de postura tende a afastar os clientes e as possíveis compras que poderiam ser feitas futuramente.

Conclusão

A partir de todas as informações presentes no texto sobre LGPD é possível concluir que as empresas que respeitarem as regras estabelecidas por essa lei terão grandes benefícios com os seus clientes.

Apesar de não ser fácil se adaptar a novos hábitos e medidas, as mudanças feitas para respeitar a Lei de Proteção de Dados devem ser consideradas por todas as empresas.

Se você deseja saber mais sobre LGPD ou formas de tornar a burocracia de empresas algo mais leve e fácil de fazer, entre em contato com a Smart.

Temos planos mensais especiais para empresas que buscam o melhor preço de coworking do Brasil.

Categorias
Escritórios Reunião

SMART NITERÓI: WhatsApp lança ferramenta de videochamadas para versão de PC

As ferramentas de videochamadas possibilitaram o home office e as aulas online durante a pandemia; o WhatsApp também entra na lista das plataformas de reuniões pela internet.

A revolução digital vem sendo desenvolvida há muitos anos. De fato, quem tem entre vinte e trinta anos viu como a tecnologia avançou rapidamente em tão pouco tempo.

Na última década, vimos (e nos surpreendemos) com o  surgimento e aprimoramento de novas tecnologias da comunicação. 

Provavelmente, a chegada dos primeiros smartphones chamaram a atenção de quem, até naquele momento, estava acostumado com as funções elementares de um celular: fazer e receber chamadas e, os quase esquecidos, SMS.

Mas a humanidade não ficou por aí, e passos cada vez mais largos continuaram sendo dados. 

As ferramentas de videochamadas, por exemplo, foram pouco a pouco ganhando espaço.

Hoje, milhões de pessoas no Brasil e no mundo resolvem questões relacionadas a sua vida financeira, se comunicam com familiares e amigos, estudam, e até mesmo trabalham por meios digitais.

Todos já sabíamos que esse era um caminho rumo a um futuro cada vez mais online; contudo,  o que provavelmente ninguém imaginava era que tal desenvolvimento seria ainda mais apressado devido a uma crise sanitária mundial.

ferramenta de videochamadas

Coronavírus 

A pandemia causada pelo novo Coronavírus obrigou pessoas, empresas e países a dar consideráveis passos na aplicação de ferramentas digitais.

Com o começo da implementação das medidas sanitárias ao redor do mundo, no primeiro semestre de 2020, passou a fazer parte do uso cotidiano da nossa linguagem um termo em inglês, até então quase desconhecido para muitos.

O home office foi a opção encontrada por grandes e pequenas empresas e até mesmo por instituições estatais para evitar as viagens de ida e vinda de seus funcionários e a inevitável aglomeração nos escritórios e no transporte público. 

Mas apesar da mudança, o trabalho remoto tem seus prós e contras.

O isolamento social restringiu a possibilidade de circulação de muitas pessoas, e houve quem, embora pudesse trabalhar, optou ou foi obrigado a ficar em casa por ser parte do chamado grupo de risco e/ou portador de alguma comorbidade.

A possibilidade de executar as tarefas diárias na própria casa, sem a necessidade de estar todo o dia em um escritório, surpreendeu milhões de trabalhadores.

Para alguns, o desafio principal era organizar a própria jornada e não cair no risco de procrastinar pelo fato de estar em casa; outros, no entanto, ainda sofrem porque não conseguem distinguir bem o tempo que deve ser dedicado ao trabalho daquele que é pessoal. 

A gestão a distância também é um desafio.

Além disso, teve também quem sofreu para adaptar-se ao uso de algumas tecnologias ainda pouco usadas, embora já antigas.

As ferramentas de videochamadas já eram usadas há alguns anos. 

Pessoas utilizavam, por exemplo, o Skype, da Microsoft, para se comunicar com alguém em outra parte do mundo. 

A ferramenta – uma das mais antigas – já ajudava famílias a se comunicarem, e também já era ferramenta de trabalho para outros.

Contudo, a ferramenta de videochamadas que mais foi utilizada (amada e odiada) durante a pandemia foi, sem dúvidas, o Zoom.

A ferramenta foi criada pelo engenheiro Eric Yuan, em 2011, mas começou a funcionar em janeiro de 2013. A aplicação atingiu aproximadamente um milhão de usuários quatro meses depois.

Mas, o grande sucesso veio mesmo no ano de 2020. Só entre o começo do ano e meados de março, o Zoom teve um crescimento de 67%, graças à demanda surgida pelas aulas online e pelo trabalho remoto.

Com uma procura tão grande, a empresa passou a valer, em março de 2020, 38 bilhões de dólares.

Novas opções

Depois do êxito do Zoom – que também enfrentou problemas de estabilidade e segurança – um gigante da internet se moveu rapidamente para reestruturar sua ferramenta de videochamadas.

ferramenta de videochamadas

O Google já tinha o Hangouts, mas a plataforma da empresa deixava a desejar quando comparada ao Zoom

Em meados de 2020, o serviço foi substituído pelo Google Meet, que trouxe opções anteriormente ausentes no Hangouts, e aumentou o número de participantes nas videochamadas e possibilitou, por exemplo, a função de compartilhar com os participantes de uma reunião a tela do próprio computador.

Outra gigante das comunicações também se aventurou nos serviços de videochamadas em grupo.

Ferramenta de videochamadas do WhatsApp

Aproveitando a popularidade das ferramentas de videochamadas, o WhatsApp começou a disponibilizar para alguns usuários sua própria ferramenta de chamadas de voz e vídeo para desktops e navegadores web. 

O serviço começou a ser liberado gradualmente em dezembro de 2020.

A nova ferramenta do WhatsApp ainda está em fase de testes, mas permite que os usuários – que ainda são relativamente poucos com acesso à função – façam videochamadas por meio do WhatsApp Web.

  • O ícone para ter acesso à novidade aparece no topo da tela, ao lado da lupa de pesquisa.

Com o lançamento, o aplicativo de mensagens instantâneas entra na briga com Zoom, Skype (que agora também permite chamadas em grupo) e Meet.

Conclusão

As ferramentas de videochamadas já eram disponibilizadas por várias plataformas online. Os serviços possibilitam a comunicação usando áudio e vídeo com pessoas em qualquer parte do mundo.

Mas foi a partir da pandemia do novo Coronavírus que essas ferramentas possibilitaram uma verdadeira revolução no âmbito laboral e educacional. 

Os aplicativos de videochamadas facilitaram a realização de aulas e de reuniões nas quais os participantes podem estar em sua própria casa.

Na guerra por atrair usuários, o último a apresentar a sua ferramenta de videochamadas é o WhatsApp que começou a disponibilizar, em dezembro, sua ferramenta de chamadas de áudio e vídeo para desktops. 

O serviço é acessado pelo WhatsApp Web, está em fase de testes e o acesso ainda é restrito a alguns usuários selecionados.

Categorias
Empreendedorismo Produtividade

Smart Rio: Conheça o “RIO”, o robô de entregas da MyView que está atuando na zona sul

Você já imaginou fazer um pedido pelo delivery e quando a encomenda chegar se deparar com um robô de entregas? Ficou curioso? Entenda aqui mais dessa nova tecnologia!

É, o mundo está cada vez mais tecnológico e nos deparamos com algumas coisas que só tínhamos uma noção de possível realidade nos filmes de ficção. 

Porém, a ficção está cada vez mais próxima da realidade…

O novo queridinho da tecnologia, o robô de entregas, apelidado carinhosamente como “RIO”, está fazendo sucesso na zona sul e zona oeste da cidade do Rio de Janeiro com suas entregas terrestres – são chamados de drones terrestres -.

Aqui no Brasil ele foi desenvolvido e é operado pela startup MyView Drones. Por enquanto o “RIO” é utilizado apenas para entregas em condomínios por redes de supermercados e farmácias, por exemplo. 

Contudo, já faz sucesso em sua forma de entregar diferente. 

Os robôs de entregas operam a partir de geolocalização, de forma independente, com tecnologia 4G, sensores e inteligência artificial! 

É possível depositar um peso de até 25 kg no “RIO”, por exemplo. 

Dá vontade de fazer um pedido só para ter essa experiência de receber a compra através de um robozinho, não acham?! 

Como é realizada a compra para a entrega do pedido pelo robô de entregas, “RIO”? 

Como em todos os deliveries, através de aplicativos específicos da empresa, seja supermercado, farmácias ou outra empresa que possuir o serviço tanto do drone terrestre quanto do drone aéreo que também está atuando no serviço de entregas. 

Confira o passo a passo para entendermos melhor como se dá o processo tanto no ar quanto na terra do robô de entregas! 

  1. O cliente faz o pedido pelo aplicativo / plataforma do local que quer comprar o produto;
  2. A nota fiscal é entregue para o cliente;
  3. Um SMS é enviado a empresa MyView é acionada e prepara o drone no droneport local;
  4. O drone que estava no droneport leva o produto a outro droneport mais próximo à localização, à casa do cliente;
  5. Quando chega ao ponto mais próximo ele é entregue ao robô de entregas que finaliza a entrega de forma terrestre;
  6. Após a entrega é enviado uma mensagem, tanto para o vendedor, quanto para o comprador que a entrega foi realizada.

A Experiência 

robo-de-entrega

Em tempos de distanciamento a entrega via drones seja ele pelo ar ou terrestre está ganhando força a cada dia e as empresas que trabalham com entregas e ficam monitorando em seus escritórios virtuais que está ganhando um novo conceito com podemos analisar no Blog já estão utilizando esta modalidade de trabalho com o intuito de manter a segurança devido ao COVID-19.

Em um primeiro momento, é estranho receber uma encomenda por uma máquina, um robô de entregas, mas pensando na segurança devido a essa pandemia em não ter contato com o entregador está ganhando adeptos ao novo formato, mas é claro que o carrinho também é higienizado a cada compra com todos os quesitos de segurança para todos.

Quando o produto chega na casa do cliente, ele consegue abrir o robô através de um código para abrir o carrinho, portanto, futuramente a empresa MyView pretende que essa abertura seja realizada através da leitura da face do comprador.  

Com certeza, é uma nova experiência em um momento que não podemos ter muitos experimentos, mas podemos inovar para viver da melhor maneira possível! 

E os entregadores habituais?

Embora se tenha a preocupação com o coronavírus, muitos devem estar pensando… 

Mas os entregadores, futuramente perderão seus empregos por conta deste novo meio de entrega?  A resposta é: não. 

Os robôs entregas são complementos para o serviço de entregas, usados para ter mais mobilidade, reduzir custos, aumentar a segurança no serviço, etc. 

Os entregadores continuarão fazendo parte do processo de delivery, seja através de bikes, motos, carros, eles têm o papel de iniciar ou finalizar o processo de entrega da mercadoria em vários meios de atuação. 

Os robôs de  entregas completam os últimos quilômetros para a entrega, por exemplo, a entrega em um condomínio é realizada pelo entregador habitual na portaria que coloca o pedido no carrinho que leva até a porta do cliente em total segurança e com distanciamento.

Mas não esqueça que ainda existem pessoas reais e disponíveis para ajudar você em situações que só um ser humano é capaz na Case | Home Angels aumenta credibilidade com escritório na Smart – eles atendem pelo home-care com toda segurança e higienização necessária!

Mas será que devido à pandemia e esse novo estilo de vida fará também com que empresas deixem de existir e comecem a considerar o trabalho em home office, se você pensa que os conceitos de escritório estão chegando ao fim precisa ler este artigo O escritório vai morrer? –

Conclusão:

O robô de entregas (drone terrestre) veio para facilitar a vida de quem não pode sair de casa neste momento de pandemia com entrega de forma rápida e assertiva e estão sempre prontos para te atender. 

É uma tecnologia nova que ainda vai dar muito o que falar. É que já está sendo utilizada em vários lugares do mundo e do Brasil. 

A Empresa colombiana Rappi em Medelin já começou a testar esse novo conceito de delivery para entrega de comida em domicílio.

Categorias
Livro: Empreendedor Smart

Como o conceito do porco-espinho pode transformar seu negócio?

O conceito do porco-espinho é um divisor de águas no mundo dos negócios trazendo resultados consolidados, confira!

De onde veio o conceito do porco-espinho?

Essa é uma resposta fácil, ele advém de uma parábola construída por um filósofo alemão do século XIX, conhecido como Arthur Schopenhauer.

O ateu Schopenhauer escreveu o porco-espinho, uma parábola que conta uma historieta sobre uma raposa e um porco-espinho.

A raposa dona de muitas características positivas, quando o assunto era caça, resolveu atacar o “inofensivo” porco-espinho, este, só possuía uma característica positiva quando se tratava de caça.

Essa característica nada tinha a ver com a posição de ataque nesta situação, mas de defesa, parecia que o pobre porco-espinho não teria chance contra a tão astuta raposa.

A raposa, após construir um plano, pós a colocá-lo em prática atacando o porco-espinho e este, utilizou a única carta que obtinha na manga, ficou uma posição que formava um círculo perfeito de espinhos.

Dessa forma a raposa foi obrigada a voltar para a floresta e reformular o seu plano, agora sem confiar unicamente em suas habilidades, porque elas não foram o suficiente para que a raposa obtivesse sucesso em sua jornada contra o porco-espinho.

Mas, o que isso tem a ver com o conceito do porco-espinho? Deve ser algo que você está se perguntando! E eu já te explico…

O conceito do porco-espinho como estratégia para o sucesso

conceito do porco-espinho

Foi com o estadunidense Jim Collins um dos maiores especialistas em gestão de empresas e sustentabilidade empresarial, formado através da universidade de Stanford, inclusive, com MBA.

Que o conceito do porco-espinho de fato se formou e começou a ser útil para os empresários, inclusive, sendo um divisor de águas para os que buscavam um atalho assertivo para o sucesso de forma consolidada.

Você deve estar se perguntando; O que exatamente ele fez? E como isso pode me ajudar de fato?

Ambas as perguntas são fáceis de ser respondidas!

A melhor forma de entender o conceito do porco-espinho

Como você viu a parábola escrita pelo alemão schopenhauer demonstra a competência singular do porco-espinho, ou seja, como é importante ser excelente em uma determinada atividade e ainda mais, alerta para a forma que você deve agir diante das adversidades.

Sempre com muita humildade, porque assim como a raposa você pode acabar pensando que domina todo o conhecimento necessário para enfrentar determinado momento singular e na hora H ver que não era bem isso, tendo assim um resultado ruim acompanhado de frustração.

Por isso, para você que quer chegar ao sucesso utilizando o conceito do porco-espinho é necessário nunca tirar o foco desses dois alerta importantíssimos.

Mas, não para por aí, Collins conseguiu ir mais fundo e através dessa parábola traçar qual seria o referencial legítimo de sucesso.

Algo que ficaria entre Paixão, aquilo que você faz com brilho nos olhos, competência, atividade que você realiza de forma excepcional e Finanças, ou seja, que te gera renda.

Quando você se encontra em uma circunstância onde você ama de paixão uma determinada atividade que gera renda, mas não sabe fazer, para Collins você está apenas sonhando.

Ao amar de paixão e conseguir fazer de forma excelente uma determinada atividade que gere uma renda ínfima, você será apenas um pobre feliz.

Contudo, quando você faz com excelência, ama de paixão e essa atividade te gera renda em abundância, parabéns, você acaba de se encontra em uma posição de sucesso.

Obtenha mais inspiração

Bônus

O  que você aprendeu até aqui com o que foi passado acima representa uma pequena porcentagem do que você pode aprender se optar fazer a escolha assertiva de ter acesso a um conteúdo feito por um especialista.

No livro O Empreendedor Smart, Saulo Da Rós traçou todo o caminho que um empreendedor em busca de sucesso através de um pensamento estratégico utilizando o conceito do porco-espinho precisa saber.

Indo de O segredo para Criar um Negócio de Sucesso até Como se Torna um Empresário Smart, na prática.

Conclusão

Agora quero saber de você, curtiu as dicas? Acreditamos que sim, mas esperamos primeiro que você tenha entendido como é fácil entender o conceito do porco-espinho de forma aprofundada.

Como você viu é possível saber tudo sobre este conceito de forma fácil e rápida!

é necessário levar nossas dicas em consideração, elas foram feitas reunindo o máximo de pesquisa e informações de especialistas.

Categorias
Empreendedorismo

SMART RIO: Empresários estão com receio de retornar as atividades em 2021

A economia sentiu o balanço do fechamento do comércio e dos serviços não essenciais, por causa da pandemia. Empresários cariocas comentam os resultados dos últimos meses de 2020.

A pandemia causada pela disseminação do vírus Sars-Cov-2, mais conhecido como coronavírus, que causa a enfermidade respiratória COVID-19, além de mortos, foi responsável por uma grande queda nos níveis econômicos ao redor do mundo.

No Brasil, ademais das cifras alarmantes no tocante às questões de saúde, também pudemos acompanhar todos os efeitos que a pandemia vem provocando em praticamente todos os setores da economia. 

As medidas tomadas pelas cidades e estados, especialmente no primeiro semestre de 2020, a fim de frear o índice de contágios gerou também a perda de postos de trabalhos e o fechamento de negócios em todo o país.

Pouco a pouco, no entanto, as autoridades começaram a flexibilizar as medidas para evitar os contágios, comércios e serviços não essenciais que ficaram impedidos de funcionar foram gradativamente sendo reabertos, e os empresários começaram a retornar às atividades. 

Foi apenas no fim de junho que vários segmentos do comércio no Rio de Janeiro voltaram a funcionar. 

A grande dificuldade então foi a de tentar conciliar as novas medidas de biossegurança implementadas com o reaquecimento econômico.

Uma pesquisa realizada com empresários do Estado do Rio de Janeiro mostrou os impactos sofridos por eles nos últimos meses. 

Os resultados apresentam uma comparação especialmente entre os dois últimos meses de 2020.

Alguns dos setores consultados, no entanto, fazem parte dos negócios que esperam estar em alta em 2021.

retornar as atividades

Pesquisa com os empresários

O levantamento realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) teve a participação de 594 empresários e ocorreu entre os dias 03 e 06 de dezembro de 2020. 

A finalidade é acompanhar os setores, que sofreram consideráveis perdas durante o ano. 

A pesquisa revelou que mais de 20% dos entrevistados dos setores de comércio e serviços do estado consideram que a situação dos seus negócios melhorou no último trimestre de 2020.

Contudo, embora os números possam parecer animadores, diante da mesma pergunta, em novembro, o percentual de pessoas que afirmavam uma melhora em seus respectivos setores eram de 23,8%. 

Por outro lado, quando perguntados acerca das expectativas para o primeiro trimestre de 2021, aproximadamente 71% dos empresários afirma que esperam que haja melhora. 

Já a porcentagem de pessimistas foi de 12,3%, que consideram que pode haver uma piora nos próximos meses.

A pesquisa da Fecomércio-RJ ainda apontou que 17,3 % dos empresários entrevistados disseram que houve um incremento nas demandas por bens e serviços; o número representa uma queda de 4% em relação ao mês de novembro.

Mercado de trabalho

Quando perguntados sobre o quadro de funcionários, a pesquisa apontou que 6,9% dos entrevistados em novembro disseram que consideravam o aumento das contratações; em dezembro, esse número caiu para 4,2%. 

Para 44,9%, o quadro foi estabilizado. 4,2% falaram de um aumento significativo de funcionários.

Fornecedores

Sobre os custos operacionais, especialmente nos gastos com fornecedores, os empresários falaram à pesquisa do Fecomércio-RJ que, devido aos custos, poderá haver, nos próximos meses, um aumento para o consumidor final.

A razão principal, é a conhecida lei de oferta e procura.

E são precisamente os custos operacionais os responsáveis pelo crescimento do endividamento.

retornar as atividades

Além disso, 55,9% dos empresários afirmam que seus estoques ficaram abaixo do planejado, para 33,3% ficou igual ao planejado e 10,9% tiveram o estoque acima do planejado. 

A Fecomércio-RJ também consultou os empresários sobre as dificuldades enfrentadas para o reabastecimento. 75,1% afirmaram encontrar dificuldades, enquanto 24,9%, não.

As maiores dificuldades foram para conseguir produtos nacionais (41,3%). 

A porcentagem de pessoas que tiveram problemas com os produtos importados foi de 8,9%. 49,7% tiveram dificuldades no mercado nacional e internacional. 

Dívidas

Conforme informações que também foram conseguidas por meio da pesquisa, em dezembro, 26,9% dos entrevistados disseram não ter dívidas. Esse número em novembro era de 29,5%.

Isso também impactou o índice de inadimplência. 

Conforme apurado pela pesquisa, em novembro, 46,9% dos empresários dos setores de comércio e serviços afirmavam não estar inadimplentes. 

Em dezembro, esse número caiu para 39,2%, o que indica um crescimento no atraso dos pagamentos. 

Outros 11,4% disseram que seus negócios estão muito inadimplentes, e 27,2% afirmam não ter maiores problemas nesse sentido.

Por outro lado, os dados mostrados pela pesquisa indicam a necessidade de uma maior austeridade nas gestões dos negócios em 2021. 

Uma das formas recomendadas, é o planejamento financeiro.

Expectativas para o ano novo

Com o fim do totalmente atípico ano de 2020, surgiram, ou cresceram, as expectativas para 2021.

A expectativa principal para muitas pessoas é a chegada da vacina para o coronavírus. 

A chegada do imunizante poderia possibilitar, em parte, a volta do crescimento de alguns setores como o turismo.

Enquanto ainda há muitas incertezas, o que recomendamos aos empresários, é que aproveitem o ano para formar-se. 

Uma das dicas é dedicar tempo para ler livros que ajudem a melhorar a gestão dos negócios.

Além disso, é bom estar atento a uma solução intermediária, entre os escritórios convencionais e o home office, que deve crescer em 2021.

Conclusão

A pesquisa da Fecomércio-RJ indicou que a retomada das atividades econômicas pelos empresários cariocas ainda não teve tão bons resultados.

Segundo os dados, subiu a inadimplência e a foi frustrada a expectativa pelo aparecimento de vagas no mercado de trabalho.

Categorias
Empreendedorismo

SMART BRASÍLIA: Como a diversidade pode ser uma aliada para a inovação?

A diversidade empresarial pode desencadear uma inovação, vem entender como!

Atualmente, com a crise causada pela pandemia da Covid-19, ficou cada vez mais importante a diversidade e a inclusão de pessoas no ambiente empresarial.

Porém, essa diversidade e inclusão pode trazer resultados ótimos para o meio empresarial, e até desencadear inovações dentro da sua empresa.

Com pautas em grande discussão atualmente, como a inclusão e a diversificação de pessoas no mercado de trabalho, muitas empresas estão levando mais a sério a diversificação de pessoas no ambiente, o que vem sendo muito produtivo para o país.

Quando a empresa busca a diversidade no meio de trabalho, muitos funcionários se sentem livres para ‘inovar’ o famoso pensar fora da caixa, e a empresa poderá se beneficiar e muito dessa criatividade espontânea que leva ao empreendedorismo e inovação.

Veja abaixo como e porquê a diversidade pode ser uma grande aliada para desencadear uma grande inovação na sua empresa!

Como a diversidade poderá trazer inovação?

inovação

Com novas pessoas dentro da sua área de trabalho, novos desafios irão aparecer, e dessa forma, consequentemente, novas resoluções irão aparecer.

Nesse momento, é importante que a liderança da empresa seja inovadora, que seja aberto a novas ideias, e também, seja prestativo para iniciar uma nova forma de fazer as coisas, de uma forma mais rápida e eficaz.

Com novas pessoas, é possível que você veja de um novo ângulo a sua própria empresa, o que poderá levar até mesmo a você novas ideias para dentro do ambiente de trabalho.

Além, que dando novas oportunidades para pessoas diferentes dentro do seu ambiente de trabalho, você também acabará abrindo as ideias e até mesmo poderá desencadear um novo segmento de negócios dentro da sua empresa.

A inovação vem sempre acompanhada de novas oportunidades e desafios, porém, os resultados são ótimos para a sua empresa.

As mudanças de liderança são importantes

Lembrando sempre que, a nova geração está vindo com força, e merece sim, destaque!

Logo, os seus novos funcionários estarão em cargos antes comandados por funcionários mais velhos, o que, com o conflito de gerações, poderá trazer mudanças excelentes para dentro da sua empresa.

Com um profissional mais jovem, que tem uma cabeça mais voltada aos eventos e ao mundo em que vivemos hoje, a possibilidade de você ter um líder mais focado e funcional aumenta muito.

Vale muito a pena, que você foque e busque sempre a formação de novos líderes para a sua empresa, principalmente dentro dessa época de diversificação que vem sendo inovadora para tantas empresas pelo país.

O RH da empresa deve ser focado na diversificação de funcionários

O RH é parte fundamental no momento da diversidade e da criação de novos e potenciais líderes para dentro do seu ambiente profissional, já que são eles que irão contratar e treinar novos profissionais.

Com um RH focado na diversificação você terá maiores possibilidades no momento das suas contratações, e assim, terá acesso ao maior número de pessoas brilhantes possíveis.

É importante também que o RH foque sempre em treinamentos de novos profissionais, assim como também foque na preparação de novos líderes dentro de cada área na empresa.

Com essa melhor preparação para a sua empresa, tanto como na captação de novos funcionários com enfoque em inovação e no treinamento de novos líderes, você verá ideias inovadoras que irão diversificar a sua empresa.

Mude agora o meio empresarial, não deixe para depois!

Com as mudanças que vêm ocorrendo cada vez mais e em maior número no mercado de trabalho, é extremamente necessário que a sua empresa se enquadre o mais rápido possível no momento atual do mercado.

Dessa forma, é necessário buscar a inovação e a mudança hoje, e agora, quanto mais tempo a sua empresa demorar para se enquadrar nessa nova geração, mas demorado fica o processo de mudança.

Comece hoje com mudanças que farão a diferença dentro da sua empresa, dê mais oportunidades para a diversificação e inclusão de pessoas dentro da sua empresa.

Busque sempre focar em treinamento de funcionários e novos líderes, e dessa forma, você estará preparando a sua empresa para um novo futuro, e também, para essa nova geração de profissionais que vem sendo cada vez mais inovadores.

Junte-se ao time Smart!

A Smart Coworking vem crescendo muito no país graças a ideia inovadora dos escritórios inteligentes.

A empresa é considerada, atualmente, a maior empresa de Coworking do Brasil.

A Smart disponibiliza diversos tipos de serviços, como salas de reuniões, endereço fiscal, sala para receber clientes e parceiros, e até mesmo, uma secretária especialmente para a sua empresa e separar as suas correspondências.

Tudo isso com valores super acessíveis, que poderão fazer você economizar muito mensalmente.

Você poderá ter todas as informações sobre valores e planos no Site oficial da Smart.

Entenda mais sobre a Smart Coworking e como ela poderá ser positiva para você e para o seu negócio.

Entre em contato com a Smart Brasília!