Saiba como combater o racismo em sua empresa

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O racismo é uma ferida aberta no corpo social brasileiro. A discriminação é notável no setor empresarial, e é hora de fazer algo.

As empresas devem ter outros indicadores de crescimento que possam ir além dos recordes econômicos e de produtividade. Participar de demandas próprias da sociedade é um exemplo, como combater o racismo.

O racismo é uma ferida aberta no corpo social brasileiro, é algo que nos deveria envergonhar profundamente, mas que, infelizmente, tem sido alvo do negacionismo nos últimos anos.

“Somos todos iguais”, dizem algumas pessoas que gostam de afirmar que o racismo não existe; mas que, no entanto, muitas vezes trabalham em empresas que não têm sequer um funcionário negro. Contraditório, não acha?

Em primeiro plano, antes de falar sobre como combater o racismo no ambiente empresarial, vamos apresentar rapidamente alguns dados que devem servir para nos alertar sobre a situação.

Estatísticas que comprovam o racismo estrutural

Tomamos como fonte para este artigo, o Pequeno manual antirracista de autoria de Djamila Ribeiro, filósofa e escritora brasileira. O livro, publicado no fim de 2019, foi um sucesso de vendas no ano passado.

Djamila consegue – de modo genial, diríamos – apresentar, em relativamente poucas páginas, algumas pistas para entender a discriminação racial como algo estrutural na sociedade, além – e esse ponto é fundamental – de propor caminhos para que assumamos a responsabilidade para transformar essa realidade.

Para começar, consideremos alguns dados alarmantes que a autora apresenta no manual:

“Uma pesquisa do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert)—organização indispensável para a luta antirracista, criada por Cida Bento, em 1990—, em parceria com a Aliança Jurídica pela Equidade Racial, apontou que pessoas negras não somam 1% entre advogados e sócios de escritórios de advocacia.”

A seguir, a filósofa indica que “entre estagiários, não chega a 10%. O estudo, de 2019, ouviu 3624 pessoas em nove das maiores bancas de São Paulo e demonstra como os números refletem a necessidade de discutir desigualdades, oportunidades e diversidade no mercado de trabalho”.

Além do trabalho de Djamila, tivemos acesso a uma pesquisa do Instituto Ethos – que trabalha com empresas sobre temas de responsabilidade social – que indicou que apenas 5% de pessoas negras trabalham como executivos de 117 grandes empresas.

Como notamos, a questão é séria e o setor de negócios do Brasil deve ser agente de transformação, adicionando a seus projetos meios para combater o racismo.

Além das razões relacionadas à responsabilidade social, lutar contra esse câncer na sociedade é também uma forma de descobrir novos talentos que, por causa do racismo, acabam não sendo valorizados.

“Quantos talentos o Brasil perde todos os dias por causa do racismo?”, pergunta Djamila, que logo enfatiza a condição ainda mais absurda que sofrem as mulheres negras: “A situação é ainda mais grave para mulheres negras, que são muitas vezes destinadas ao subemprego: quantas físicas, biólogas, juízas, sociólogas etc. estamos perdendo?”

A filósofa especialista em temas sociais e em negritude apresenta um horizonte para começar a solucionar o problema: “Políticas que obrigam as empresas a pensar e criar ações antirracistas poderiam reverter esse quadro”.

Uma questão legal

O Pequeno manual antirracista enfatiza ainda que, “no Brasil, a Lei de Cotas para o Serviço Público Federal visa diminuir desigualdades. Declarada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal em 2017, ficou estipulado que:

‘A desequiparação promovida pela política de ação afirmativa em questão está em consonância com o princípio da isonomia. Ela se funda na necessidade de superar o racismo estrutural e institucional ainda existente na sociedade brasileira, e garantir a igualdade material entre os cidadãos, por meio da distribuição mais equitativa de bens sociais e da promoção do reconhecimento da população afrodescendente’”.

Como vemos, combater o racismo no Serviço Público Federal já é algo inclusive amparado por lei; no entanto, ainda há um longo caminho a ser percorrido.

É evidente que o tema deve ser tratado já, e que não basta apenas constatar a realidade dessa ferida social. Por isso, passamos agora a indicar algumas formas para combater o racismo em sua empresa.

Como combater o racismo em sua empresa

Vamos agora considerar algumas indicações práticas para dar passos concretos a fim de combater o racismo.

1. Diálogo aberto, sério e respeitoso no interior das organizações sobre o tema;

2. Combater com dureza atos racistas e discriminação: é inaceitável que funcionários façam piadas racistas ou tenham comportamentos ainda mais graves, como rejeitar a presença de companheiros negros. O racismo ainda deve ser eliminado em atitudes que visam restringir a expressividade da cultura negra. Ainda ocorre, por exemplo, que funcionárias negras sejam pressionadas a alisar os cabelos. Isso é racismo e é inaceitável em qualquer empresa;

3. Eliminação do racismo velado, geralmente presente em barreiras que dificultam a ascensão de pessoas negras a cargos de gerência;

4. Tomada de medidas de proporcionalidade, considerando a necessidade de dar oportunidades a mais negros nos próximos processos de contratação;

5. Investimento em marketing para difusão de campanhas antirracismo, e que publicitem medidas reais tomadas pela empresa para combatê-lo;

6. Maior consideração da população negra na hora de elaborar o público alvo de produtos e serviços.

Conclusão

Embora negado por muitas pessoas – por má-fé ou desconhecimento – o racismo é uma ferida que continua sangrando no corpo social brasileiro.

A questão é vista, entre outras coisas, pela falta de inclusão de pessoas negras no mercado de trabalho, sendo que a causa se agrava ainda mais quando considerados os vergonhosos números de negros ocupando cargos administrativos.

Não é possível falar do tema sem considerar ainda o duplo problema que enfrentam as mulheres negras que, além de sofrerem discriminação por serem mulheres, são inferiorizadas pela cor.

Como visto, é evidente que algo precisa ser feito e que as empresas podem ser agentes de mudança sempre e quando começam a fazer o seu dever de casa.

Medidas como a inflexibilidade ante atos racistas e a eliminação de quaisquer formas de discriminação são um começo. Mas, ainda assim é insuficiente.

As empresas devem adotar programas de contratação de profissionais negros e caminhar em direção a uma real política de proporcionalidade.

Nesse caminho, também os negócios surgidos há pouco devem se posicionar.

Se você chegou até aqui, já adquiriu um pouco mais de conhecimento sobre a discriminação racial no nosso país e já sabe algumas estratégias que pode pôr em prática para estar na linha de frente ao combate ao racismo no setor empresarial.

Não deixe de visitar nosso blog para saber como montar um time Smart campeão

Saulo Da Rós

Saulo Da Rós

Saulo Da Rós é Autor do Método O Empreendedor Smart, CEO e Founder do Coworking SMART. Pós-graduado em Planejamento e Gestão pela Universidade Federal do Paraná – UFPR e Master Coach FEBRACIS. Criador do Método Empresa Smart, ensina um passo a passo detalhado e comprovado para reduzir os custos e a burocracia dos negócios de seus clientes.
logo_smart.png
  • (61) 3221-1000
  • (61) 98117-0468

Brasília – Asa Sul
​Av. W3 Sul CRS 502 Bl C Loja 37

Brasília – Asa Norte
Av. W3 Norte SEP/N 504 Bl A 3º Andar

TERESINA/PI
Av. Homero Castelo Branco, nº 383​, Jóquei​

CURITIBA/PR​
Rua Mateus Leme, nº 1245, São Francisco

  • Copyright 2020 Smart Escritórios Inteligentes - CNPJ: 19.611.273/0001-09