Redes sociais na empresa são mesmo vilãs da produtividade?

Publicado em 15 de dezembro de 2016
Administração, Produtividade
Por:
Fonte:

Quando as redes sociais começaram a se tornar mais populares, no início dos anos 2000, as empresas precisaram encarar – e rapidamente – uma nova realidade em seus escritórios. A produtividade, que antes era ameaçada apenas pelas conversas no cafezinho e pelas ligações particulares, passou a sofrer o impacto também das visitas ao Orkut, que com o tempo foi substituído por novas e variadas mídias: Facebook, Instagram, Youtube, Twitter, WhatsApp, Snapchat…

Neste novo cenário, a escolha de muitos negócios foi “cortar o mal pela raiz” e bloquear o acesso às redes sociais na empresa, restringindo as visitas nos seus computadores. Mas será que essa é a medida mais eficiente para garantir a produtividade, especialmente em um novo momento, no qual as redes sociais foram para a palma da mão com a popularização dos smartphones?

Neste artigo, vamos ajudá-lo a refletir sobre qual o melhor caminho para conciliar produtividade e redes sociais na sua empresa. Confira!

Acessar redes sociais no trabalho prejudica o rendimento?

Sim, existem estudos que mostram que acessar redes sociais no trabalho pode prejudicar a produtividade, especialmente para aquelas pessoas que checam suas contas a cada 5 minutos.

Aqui, entretanto, o problema não é exatamente a rede social em si, mas o hábito de interromper a concentração durante uma tarefa – o que pode acontecer ao ir ao banheiro, tomar um café ou conversar com o colega ao lado. Ao perder o foco, leva-se um certo tempo para retornar à concentração do que se estava fazendo, resultando em mais demora na entrega e também na diminuição da qualidade da tarefa.

Produtividade e redes sociais: como elas também podem ajudar

Mas as redes sociais não cumprem apenas o papel de vilãs da produtividade: para as empresas e para os profissionais que sabem como utilizá-las, podem ser excelentes ferramentas de trabalho.

Cada vez mais se reconhece como esses recursos podem acelerar a interação entre pessoas de diferentes áreas e com diferentes funções, mesmo quando estão ausentes do ambiente de trabalho.

Em tempos de escritórios remotos e de jornadas mais flexíveis, as redes sociais podem ser a chave para garantir a comunicação entre colaboradores, seja para retirar uma dúvida, confirmar uma informação, aprovar um projeto ou até mesmo sugerir uma melhoria para uma área totalmente diferente da que está alocado.

Outras vantagens reconhecidas ao permitir redes sociais na empresa são aliviar o estresse, impulsionar o networking, expandir a criatividade e obter facilmente informações disponíveis na rede.

Para entender melhor como isso funciona na prática, basta conhecer como as próprias empresas que criaram as redes sociais mais populares se comportam. No Facebook, por exemplo, os longos e excessivos e-mails trocados internamente foram substituídos pela rapidez da comunicação pela própria ferramenta.

Para falar com uma única pessoa, usa-se o Messenger, para conversar com vários colegas de um mesmo projeto ou para sugestões de inovação, são utilizados os vários grupos divididos por temas e áreas. Com isso, os funcionários de seus escritórios conseguem interagir rapidamente, seja com o colega que está ao lado ou em outro país.

Encontrando o bom senso com a sua equipe!

O fato é que muitos profissionais (e seus empregadores) ainda não sabem exatamente a melhor forma de lidar com a facilidade de acesso a redes sociais como o Facebook no trabalho. Se bloquear os computadores não é mais a solução, será que o segredo para a produtividade não pode estar na educação?

Para pessoas habituadas a estarem conectadas mesmo durante o trabalho, o melhor é estimular os bons hábitos, como não levar o celular para reuniões, manter as notificações desativadas durante o expediente, não deixar as janelas das redes sociais abertas no navegador ou usar técnicas de produtividade como Getting Things Done ou Pomodoro, que restringe os momentos de procrastinação e de falta de foco a pequenos intervalos no dia.

Outra sugestão é também usar métodos de gestão e acompanhamento de projetos, como o Kanban, que permite a você monitorar se o uso das redes sociais está de fato comprometendo as entregas do colaborador e em que nível. Caso observe que sim, antes de bloquear a utilização, experimente estruturar um momento de feedback, informando o quanto o comportamento pode prejudicar a empresa.

Pense também em como as redes sociais podem ser suas aliadas como empreendedor. O Instagram no trabalho, por exemplo, pode ser utilizado para reforçar a imagem de sua marca, mesmo que por meio de publicações de colaboradores. Já o Facebook e o Twitter no trabalho podem ser excelentes formas de descobrir sobre o que seus clientes potenciais estão falando – algo que todos na empresa, independentemente da função, deveriam saber.

Por fim, se a sua verdadeira preocupação é em relação à produtividade, lembre-se de que as conversas de corredor ainda podem ser muito mais prejudiciais para o seu rendimento e de seus funcionários. Ou seja, o que importa não é como a perda de foco acontece, mas sim o porquê. Mantenha as metas claras, os papéis de cada um percebidos de forma relevante e as prioridades para cada dia acessíveis e, provavelmente, as redes sociais na empresa não serão um desafio tão grande assim.


O que você pensa sobre a utilização de redes sociais na empresa e impacto na produtividade? Compartilhe sua opinião nos comentários deste artigo!

 

Saulo da Ros

Saulo da Rós é CEO da Smart Escritório Inteligentes. Especialista em gestão e finanças,tem mais de 10 anos de experiência em empreendedorismo. Siga-me no Instagram.
Saulo da Ros